Ascensão do Senhor: «Pai, onde eu estou, que eles estejam comigo» (1)

Guerrico de Igny, abade

Sermão para a Ascensão

“Pai, enquanto estava com eles, guardei-os em teu nome, o nome que me deste. Agora eu vou para junto de ti. Não peço que os tires do mundo, mas que os guardes do Mal” (Jo 17, 12-14).

Irmãos, com toda razão podemos aplicar esta oração, que o Senhor proferiu às vésperas de sua Paixão, à festa da Ascensão. Estando para partir, e confiando ao Pai os Seus filhos, o Senhor elevou os olhos ao Céu e disse:  

“Pai, este é o meu desejo: que aqueles que me deste estejam comigo onde eu estou, para que contemplem a minha glória” (Jo 17,24). Nesta oração se encontram os três pedidos que resumem a perfeição e a salvação: que eles sejam guardados do Mal, que sejam consagrados na verdade, que sejam glorificados com Ele.

Felizes os que têm por intercessor Aquele que devemos adorar como adoramos o Pai, a quem o Filho de Deus dirige esta súplica: “Quero que, aqui onde estou, eles estejam comigo”! O Pai não pode recusar satisfazer este desejo expresso pelos seus lábios (Sl 20,3), pois, sendo um só e mesmo Deus, tem com Ele uma única vontade, um único poder. Assumamos, pois, o doce jugo de Cristo, para ingressarmos em Seu reino de glória. E o que poderia ser mais glorioso que voar rumo ao mais alto dos céus, onde se encontra o Cristo ascensionado?  Que segurança para aqueles que têm fé, que confiança para os crentes! Não desperdicemos a graça que recebemos.

Nesse dia, Cristo “elevou-se sob o olhar dos seus discípulos e desapareceu numa nuvem” (At 1,9). Fazendo-se amar por eles, queria que o coração dos discípulos o seguisse; e prometeu-lhes, pelo exemplo do seu corpo, que os seus corpos poderiam elevar-se do mesmo modo. Hoje, Cristo “cavalga os querubins e voa nas asas do vento” (Sl 17,11), isto é, ultrapassa o poder dos Anjos. E, no entanto, na sua condescendência para com a tua fraqueza, “como águia que vigia os seus filhotes”, quer “pegar-te e levar-te aos ombros” (Dt 32,11). Há quem voe com Cristo pela contemplação; que tu o faças ao menos pelo amor.

Hoje nosso Sumo Sacerdote ingressou no Santuário, obtendo a redenção eterna, e está agora na presença de Deus. Ao seu clamor: “Corações ao alto”, respondamos confiantes: “O nosso coração está em Deus”.

Irmão, pois que Cristo, teu tesouro, subiu hoje ao Céu, que também esteja aí o teu coração (Mt 6,21). É no Alto que está a tua origem, é lá que se encontra a tua parte da herança (Sl 16,5), é de lá que esperas o Salvador (Fl 3,20). ⊕

Leia também:

O santo abade Guerrico de Igny (c. 1080-1157) nasceu em Tournai, Bélgica. Tendo recebido excelente educação na Escola Catedral de Tournai, onde foi discípulo do grande sábio beneditino Odo de Tournai, dedicou-se posteriormente ao ensino da Teologia. Arrastado pelo testemunho de vida de São Bernardo, ingressou no mosteiro de Claraval. Em 1138 foi eleito abade do mosteiro de Igny, na diocese de Reims. Seus sermões, reunidos por seus monges, versam principalmente sobre o ano litúrgico.

2 comentários sobre “Ascensão do Senhor: «Pai, onde eu estou, que eles estejam comigo» (1)

  1. Pingback: Ascensão do Senhor: “Pai, que onde eu estou, que eles estejam comigo” (2) | O Caminho Cisterciense

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s